“Há momentos”, de Clarice Lispector

Há Momentos

Há momentos na vida em que sentimos tanto
a falta de alguém que o que mais queremos
é tirar esta pessoa de nossos sonhos
e abraçá-la.

Sonhe com aquilo que você quiser.
Seja o que você quer ser,
porque você possui apenas uma vida
e nela só se tem uma chance
de fazer aquilo que se quer.

Tenha felicidade bastante para fazê-la doce.
Dificuldades para fazê-la forte.
Tristeza para fazê-la humana.
E esperança suficiente para fazê-la feliz.

As pessoas mais felizes
não têm as melhores coisas.
Elas sabem fazer o melhor
das oportunidades que aparecem
em seus caminhos.

A felicidade aparece para aqueles que choram.
Para aqueles que se machucam.
Para aqueles que buscam e tentam sempre.
E para aqueles que reconhecem
a importância das pessoas que passam por suas vidas.

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Você só terá sucesso na vida
quando perdoar os erros
e as decepções do passado.

A vida é curta, mas as emoções que podemos deixar
duram uma eternidade.
A vida não é de se brincar
porque um belo dia se morre.

Clarice Lispector

(Enviado pela Paula, voluntária em formação)

2 ideias sobre ““Há momentos”, de Clarice Lispector

  1. Belas e sábias palavras….. me fez lembrar um outro texto / Poema que diz:

    Quem passou pela vida em branca nuvem
    E em plácido repouso adormeceu
    Quem não sentiu o frio da desgraça,
    Quem passou pela vida e não sofreu…
    Foi espectro de homem, não foi homem,
    Só passou pela vida e não viveu…

    Francisco Otaviano

    Beijokas
    Ana

  2. Olá!!

    Mais um dentre eles: post pertencente a ‘veia poética’ do blog, a minha preferida, hehe! Q desta vez, traz palavras de ninguém +, ninguém menos do q C.Lispector… Profunda, intensa, perturbadora, enigmática, visceral… Imensa poderia ser a lista de adjs… Mas, longe de mim produzir qq tipo de ‘crítica literária’ (rs!), me reservo apenas o comentário de q ler suas palavras é sempre uma ‘experiência’… as vezes, lição p/ a vida (como a poesia apresentada); outras, palavras q se transformam em um espelho: “Minha força está na solidão. Ñ tenho medo nem de chuvas tempestivas nem de grandes ventanias soltas, pois eu tb sou o escuro da noite.” Ou então, palavras q leio como um ‘eco’ vindo lá de dentro: “Suponho q me entender ñ é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato… Ou toca, ou ñ toca.”

    Enfim… em retribuição ao prazer q sinto sempre q encontro uma poesia aqui no blog, deixo outra, para continuar recheando este espaço com mta sensibilidade…

    “Não entendo. Isso é tão vasto q ultrapassa qq entender. Entender é sempre limitado. Mas ñ entender pode ñ ter fronteiras. Sinto q sou mto mais completa qdo ñ entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas ñ como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e ñ entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só q de vem em qdo vem uma inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender q ñ entendo.” C.Lispector

    Beijos para todos…

    Vanêssa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>